terça-feira, 6 de maio de 2008

CORAÇÃO ADOLESCENTE (IV)


ERA UMA VEZ...

Era uma vez uma laranjeira,
que um dia produziu flores,
que um dia murcharam…

No dia em murcharam
um homem que não entendia de laranjeiras
disse que ela não daria coisa nenhuma
porque as flores haviam murchado.

Mas um homem que entendia de laranjeiras
ficou tranquilo e disse que agora
é que começariam a nascer os frutos.

E os frutos começaram a nascer.
O homem que entendia de laranjas
pôs-se a observar um dos frutos que nasciam.
E o fruto que tinha sido florzinha
tinha um centímetro de diâmetro.
Era pequeno e imaturo.
Cresceu e continuou pequeno e imaturo.
Cresceu um pouco mais
tornou-se médio mas continuou imaturo.
Cresceu mais ainda
E tornou-se grande, porém, continuava imaturo.

Quando chegou a época da plenitude física,
O homem que não entendia de laranjas
Disse que ela devia ser colhida:
- Não vai crescer mais,
Daqui por diante só vai envelhecer;
Vamos colher esta laranja enquanto é nova!

Mas o homem que entendia de laranjas disse:
- O senhor não entende nada sobre a natureza!
E pouco deve entender sobre a vida!
Ela parece uma laranja,
Tem o tamanho de uma laranja,
Não vai crescer mais do que isso,
Mas ainda não é uma laranja;
Ela ainda não está madura
Nem doce por dentro!!!
Deixe que ela receba a luz do alto,
sugue a seiva da terra
com mais intensidade do que antes,
e transforme o seu íntimo em substância doce.
Ela começará a ficar dourada por fora
E silenciosamente
Começará a dizer que amadureceu.

É por dentro que se julga a laranja,
Não pelo seu tamanho exterior.

Adaptação nossa do texto "Os Jovens são como laranjas...
de José Fernandes de Oliveira
in Se eu pudesse falar aos jovens
Edições Paulistas

8 comentários:

Carmo Cruz disse...

Raul do Sorriso Imenso, que orgulho eu sinto por te conhecer! Esta é a mais bela descrição do processo do crescimento que já li. Dá-a aos teus alunos e pede-lhes, por favor, que não colham a laranja antes de estar madura, na sua plenitude. Que apreciem cada momento, cada fase, cada mudança. Um dia sugeri aos meus alunos, em S. João da Madeira, que fotografassem uma planta qualquer, mês a mês, para ver como evolui, cresce, muda. Naquela altura não havia digitais, os rolos eram caros, a revelação também (quando o dinheiro é pouco, tudo é caro), mas, mesmo assim, houve tentativas muito animadas e animadoras.
Desculpa falar em dinheiro aqui. Ao pé de um Poema tão belo. Obrigada. Um beijo, Carmo

Teresa disse...

A mensagem do poema é linda e verdadeira.
A poesia e a música sao os melhores remédios contra a depressao.
Nesta manha triste, este formoso poema foi um raio de sol para o meu espírito.
Beste Grüsse aus D´dorf!

Raul Martins disse...

Depois deste, vem "Era uma jovem parecida com a laranja do poste anterior" que vou colocar amanhã. E a estratéfia de fotografar uma planta e registar o seu crescimento é muito interessante. E agora temos mais facilidades do que outrora, não gastamos dinheiro em rolos e as revelações dispensam-se. Outros tempos. Bom é que evoluíssemos a essa velocidade em muitos outros aspectos. Mas lá chegaremos. O "fermento" anda por aí. Um dia destes vai acontecer!

E Teresa, obrigada pela sempre motivadora visita.

Raul disse...

E a estratégia e não estratéfia, claro!...

BC disse...

O poema é muito, muito bonito.
A adolescência é um período bem complicado das nossas vidas, pois todos nós já passámos por ela, quando na verdade deveria ser a altura mais bonita, onde os jovens
descobrem o mundo de uma forma diferente e onde vão descobrindo um
processo que os prepara para a fase adulta.
Mas quando olhamos para trás...que saudades!!!

Professorinha disse...

E tantas laranjar há lindas por fora e azedas por dentro... E eu que gosto tanto de laranjas...

Fica bem

José António disse...

Por dentro?...por agora anda tudo a ver por fora. Até ver.

Raul Martins disse...

E José António... ajuda-nos a ver melhor!