sexta-feira, 5 de novembro de 2010

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

DA COMPAIXÃO!

Acabei de "roubar" do Terrear este magnífico texto de Rosa Montero:

- Continuas a escrever o teu livro de palavras?

A pergunta de Nyneve surpreende-me. Endireito-me e olho para ela. A minha amiga, que também está a trabalhar na horta, descansa apoiada na enxada.

- Sim. Porquê?

- Porque te queria oferecer uma palavra. A melhor de todas.

- Ah, sim? Qual é?

- Compaixão. Que, como sabes, é a capacidade de nos colocarmos na pele do próximo e de com ele sentir o que ele sente.

- Sim, agrada-me. Mas por que me dizes que é a melhor?

- Porque é a única das grandes palavras em nome da qual não ferimos, na torturamos, não prendemos e não matamos…. Pelo contrário, evita tudo isso. Há outras palavras muito belas: amor, liberdade, honra, justiça… Mas todas elas, todas, podem ser manipuladas, podem ser utilizadas como armas de arremesso e causar vítimas. Por amor ao seu Deus, os cruzados acendem piras, e por um amor aberrante, os amantes ciumentos matam as suas amadas. Os nobres maltratam e abusam barbaramente dos seus servos em nome de uma hipotética honra; a liberdade de uns pode significar prisão e morte para outros e, quanto à justiça, todos julgam tê-la do seu lado, mesmo os tiranos mais cruéis. Só a compaixão impede estes excessos; é uma ideia que não pode impor-se aos outros a ferro e fogo, porque nos obriga a fazer justamente o contrário. Obriga-nos a aproximamo-nos dos outros, a sentir o que sentem e a compreendê-los… Lembra-te desta palavra, minha Leola. E, quando te lembrares, pensa também um pouco em mim.



Rosa Montero (2006)
História do Rei Transparente
Porto:ASA (pp. 409-410)