segunda-feira, 5 de maio de 2008

CORAÇÃO ADOLESCENTE! (II)

Via RENARD:


NÃO, NÃO AGORA...

Não, não me toques.
Pois me feres ao menor toque.


Não, não me abraces.

Pois me partes os ossos.

Não, não me beijes.
Pois me fechas a garganta.

Não, não me fales.
Pois me fazes doer os ouvidos.

Não, não me perguntes.
Pois me fazes muda.

Não, não me olhes.
Pois me fazes esconder.

Não, não me levantes a cabeça.
Pois me fazes cegar.

Não, não me faças chorar.
Pois secaste-me as lágrimas.
renard

7 comentários:

João Reis Ribeiro disse...

Como a adolescência se sabe dizer tão bem! Como é bonita a adolescência! Ela revela-se em textos que nos ajudam a olhá-la como ela merece. Boa iniciativa, Raul! Estou à espera que alunos meus a digam também. E talvez se possa alargar a teia... Gostei. Da iniciativa e dos textos.

Carmo Cruz disse...

Ora, Renard, não te preocupes, isso são apenas as dores de crescimento. As tuas palavras fazem-me lembrar o que diria, na minha imaginação que procuro manter adolescente, uma borboleta ainda na crisálida. Mal ela sabe que quando chegar cá fora vai espantar o mundo com a sua beleza. Um beijinho agora, porque quando flores borboleta será mais difícil apanhar-te... Carmo

Raul Martins disse...

Obrigado João,
depois vamos partilhando textos.
Carpe diem!

Raul Martins disse...

Certamente que a renard, que já é uma "borboleta", não se vai importar com as palavras da Carmo e do João.
Mas independentemente da "idade", o importante são as mensagens que ajudem os nossos jovens a reflectir, a entender e a viver melhor a sua adolescência. É a intenção desta rubrica de "coração adolescente." Muitos textos poderão não ser de jovens. Todos os que forem de jovens vamos assinalá-los como tal.

BC disse...

Que bom, ver um poema da renard aqui postado,tornámo-nos grandes cúmplices da blogosfera,acho que tenho aprendido muito com ela, é uma menina espectacular!
Ainda bem, por ela fico muito contente por ter tido essa lembrança...
E QUE VENHAM MAIS, E MAIS...!

RENARD disse...

Agradeço todos os comentários afectuosos que me deixaram. Na verdade, já não sou adolescente na prática há algum tempo, no entanto, tenho para mim que devemos deixar sempre um pouco das nossas fases de vida em nós. Afinal, quem ñão aprende com os erros está condenado a repeti-los.
Como devemos ter sempre algo de criança em nós, devemos ter também um pouco de adolescente. Se formos a ver bem essa idade dita "da estupidez" pode ter os seus momentos mais desagradáveis mas sem passarmos pelos mesmos nunca chegariamos a ser adultos. Não que já me considere adulta. Não! Para isso impõe-se que hajam mais responsabilidades na minhas vida. Mas, como todos nós, para lá caminho.

Beijinhos para os meus "irmãos e irmãs bloguistas"

Anabela Magalhães disse...

Passo só para dizer que gosto, que gosto muito destes corações adolescentes.