sábado, 9 de fevereiro de 2008

EDUCAMOS PESSOAS COM HISTÓRIA (2)

“Ninguém está “desligado” da sua história”!

A criatividade, o humor e o amor ao serviço da educação.

Por causa de uma entrada anterior com este título, um amigo fez-me chegar uma verídica história enternecedora que se segue ( já não se lembra de onde a tirou, por isso, o seu autor que nos perdoe o abuso):

José é um aluno muito carenciado, económica e afectivamente. A mãe é alcoólica e o pai não assume qualquer responsabilidade pela sua educação. O único que lhe dá algum apoio é um irmão mais velho. O José tem muitas dificuldades de aprendizagem e por isso já repetiu várias vezes no primeiro e o no segundo ciclos. O acontecimento que foi relatado passou-se quando este frequentava pela segunda vez o 5.º ano. Para terminar a caracterização do protagonista falta acrescentar que frequentemente punha o cabelo em pé aos seus professores e estes viam-se aflitos.

A professora Etelvina, que ministrava a disciplina de História na turma em que este aluno estava inserido, soube, por um aluno da turma, que o José lhe chamava a "Bruxa Má". Após ter conhecimento deste facto chegou à aula e disse: "Olhem, eu gosto muito de contos infantis, daqueles que metem reis, princesas, anões, príncipes e bruxas. Por isso, a partir de hoje eu passo a ser a Bruxa Má e o José o meu Príncipe encantado". O José, segundo a descrição da professora, ficou todo orgulhoso com aquela designação e passou a ter um comportamento completamente diferente.
Convém acrescentar que a professora a partir daquele dia passou a chamar-lhe sempre o "meu príncipe encantado".

1 comentário:

blundr disse...

Boa tarde Professor!

Acabei de vir da catequese (é o meu serviço comunitário - e tenho muito gosto em fazê-lo)

Nem sempre é fácil lidar com crianças e adolescentes. Todos nós passamos por essa fase e sabemos muito bem das asneiras que as crianças são capazes de fazer. Umas crianças são mais calmas outras insuportáveis. Mas mesmo as crianças insuportáveis são capazes de nos surpreender pelo bom sentido. O que precisam é mesmo de uma conversa, de uma boa conversa que a faça abrir os olhos.

Falando de outro assunto, não é necessário agradecer o facto de ter acrescentado à lista de sites do meu blog. Os sites que eu lá tenho, são geralmente os mais importantes para mim.

Um abraço ;)