terça-feira, 15 de julho de 2008

TEMPO DE VÉSPERAS!

O HOMEM NO ESPELHO

Quando conseguir o que quer, na luta pela sua identidade
E o mundo o fizer sentir-se rei por um dia,
Procure um espelho e olhe-se nele
E veja o que é que ESSE homem tem a dizer.

Pois não é o julgamento do seu pai, ou mãe, ou esposa
Que você tem de se submeter;
A pessoa cujo veredicto mais importa na sua vida
É o homem que vê no espelho.

Muitas pessoas podem achá-lo um companheirão
Considerá-lo um tipo maravilhoso,
Mas o homem do espelho chamar-lhe-á um traste
Se você não for capaz de o olhar nos olhos.

É a ele que tem de agradar, nada mais interessa,
Pois é ele quem vai acompanhá-lo até ao fim.
E terá passado o teste mais perigoso e difícil
Se o homem do espelho o considerar um amigo.

Pode enganar o mundo inteiro pela vida fora,
Ir recebendo palmadas nas costas pelo caminho,
Mas a sua recompensa fina será feita de dores de cabeça e lágrimas
Se tiver enganado o homem do espelho.


Dale Wimbrow

8 comentários:

Maria do Carmo Cruz disse...

Raul, um belo texto para meditar. Coisa que me acontece muita vez, meditar sobre este assunto. É o que eu quero dizer quando digo que antes de viver com os outros, eu vivo comigo mesma 24 horas por dia. Seria terrível viver comigo em luta permanente por me achar um "traste" (sei o que digo, porque acontece, não sou santa nenhuma). Podemos enganar os outros mas não a nós mesmos. Já houve tempo em que me recusava a olhar-me ao espelho, porque estava zangada comigo.
E este "viver connosco" é tão exigente que nem a dormir estamos livres de nós: como já tenho dito, até os sonhos nos espelham quem somos. Não acredito que os sonhos tenham algo a ver com futuro, como tantos desejariam, mas sim com o que já fizemos, de mal ou de bem.
Gostei imenso do Poema. Obrigada por o dividires connosco. Um abraço da Avó Pirueta
PS. Por isso mesmo perguntei há tempos a uma certa Senhora, no meu blogue, se ela dormia bem...

BC disse...

Olá Raul!
Não estou na melhor altura para muitas palavras, mas concordo plenamente com o poema, muitas pessoas deveriam ver-se ao espelho, e nós também, como a avó diz não somos santos, ninguém é perfeito, mas procuramos alguma perfeição.
Eu durmo descansada toda as noites, e isso já é muito bom saber que cumprimos mais um dia.

Avó, eu logo vou ao blog, não sei quando, tenho que ir para o médico
com o Gonçalo depende do tempo que demorar e da disposição com que vier de lá.

Beijinhos, amigos, mesmo longe, penso em vós e sei que estão comigo.

Anabela Magalhães disse...

E eu que também não sou uma santa só posso concordar que o que importa é Ser.
Quanto ao Clap, e não posso deixar de me rir, está "neutralizado"!
Beijinhos

Raul Martins disse...

Coincidências, Anabela. Mas tudo resolvido. Já vi a mensagem do Clap! Mas há cada coisa, não é, Anabela?
.
Carpe diem!

conceição coelho disse...

Achei o poema simplesmente fabuloso! Na verdade, se não formos verdadeiros com o nosso EU, como poderemos enfrentar cada dia...
Raul, estás mais uma vez de parabéns pela escolha dos textos que publicas neste espaço.
Um Bom Dia

Anabela Magalhães disse...

Há cada coisa mesmo, Raul! Incrível! Com tanto padre no mundo vai-lhe sair o padre Mário do Colégio dos Carvalhos?!!!

Nuno disse...

A acrescentar: Não tentes enganar o homem do espelho, porque ele sabe mais que tu pensas...conhece-te melhor que alguém.

Bem verdade. Obrigado!

Raul Martins disse...

Bom acrescento, Nuno. Vales mais do que aquilo que pensas. Estás no bom caminho.
.
Aparece sempre que és bem vindo e eu farei o mesmo.
.
Carpe diem!