quinta-feira, 12 de junho de 2008

DIA MUNDIAL CONTRA O TRABALHO INFANTIL

- Educação –

A Verdadeira Alternativa ao Trabalho Infantil


O dia 12 de Junho é o Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil.

Em todo o mundo, segundo números da Organização Internacional de Trabalho, cerca de 200 milhões de crianças, entre os 5 e os 17 anos, trabalham.

Aproximadamente 165 milhões de crianças com idades entre os 5 e os 14 anos, faltam ou abandonam definitivamente a Escola para trabalhar.

São estas crianças, as que não vão para a Escola, que mais facilmente entram na 'clandestinidade', e que estão mais susceptíveis de entrar em redes de tráfico, de pedofilia e de prostituição.

No dia 12 de Junho, a CNASTI, tal como centenas de organizações no mundo inteiro, quer lembrar que só a Educação de Qualidade é a Verdadeira Alternativa ao Trabalho Infantil.

Em Portugal, o trabalho infantil continua a existir em sectores como a agricultura, a construção civil e 'ao domicílio'. As fábricas, sobretudo do sector têxtil e do calçado, raramente empregam crianças nas suas instalações mas entregam trabalho para que as famílias – incluindo as crianças – o façam em casa.

Embora sem número oficiais, é certo que muitas crianças passam horas a coser sapatos ou a cortar linhas em roupa.

O trabalho infantil artístico é outra das preocupações da CNASTI. Nas novelas, nos musicais, na publicidade, na moda e nos filmes há cada vez mais crianças a trabalhar. Um trabalho diferente do 'tradicional' mas que, da mesma forma, tira os menores da escola e obriga-os a ter uma vida muito pouco adequada à idade que têm.

Por tudo isto, a Confederação Nacional de Acção Sobre Trabalho Infantil defende a Escola como alternativa ao Trabalho.

Em seminários, conferências e acções realizadas em pareceria com a Organização das Nações Unidas/Objectivos do Milénio, a CNASTI defende a Valorização da Escola e das Aprendizagens.

A Escola é, e será sempre, a primeira instituição que as crianças encontram e deve ser um espaço capaz de formar cidadãos activos. Na Escola, o aluno é o centro do projecto educativo.

No Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil, frisamos que a Escola é dos alunos e para os alunos. São eles o princípio, o meio e o fim de uma Escola de sucesso.

A Comissão Executiva da CNASTI

7 comentários:

RENARD disse...

Convention on the Rights of the Child
Adopted and opened for signature, ratification and accession by
General Assembly resolution 44/25
of 20 November 1989


Article 28

1. States Parties recognize the right of the child to education, and with a view to achieving this right progressively and on the basis of equal opportunity, they shall, in particular:
(a) Make primary education compulsory and available free to all;

(b) Encourage the development of different forms of secondary education, including general and vocational education, make them available and accessible to every child, and take appropriate measures such as the introduction of free education and offering financial assistance in case of need;

(c) Make higher education accessible to all on the basis of capacity by every appropriate means;

(d) Make educational and vocational information and guidance available and accessible to all children;

(e) Take measures to encourage regular attendance at schools and the reduction of drop-out rates.

2. States Parties shall take all appropriate measures to ensure that school discipline is administered in a manner consistent with the child's human dignity and in conformity with the present Convention.

3. States Parties shall promote and encourage international cooperation in matters relating to education, in particular with a view to contributing to the elimination of ignorance and illiteracy throughout the world and facilitating access to scientific and technical knowledge and modern teaching methods. In this regard, particular account shall be taken of the needs of developing countries.


Need I say more?

Tribal Salutations

Maria do Carmo Cruz disse...

Thank you, Raul, thank you, Renard, for recalling the Day. We need not say more, but perhaps we have to do more.
This is something that makes my heart ache. Kiss you both, Avó Pirueta

BC disse...

Apetetecia-me postar novamente aquele video maravilhoso,sobre os direitos das crianças,mas não o fiz hoje, mas continuo a repetir,sao coisas que estão sem-
pre presentes na minha cabeça, todos os dias.
Queria mostrar-vos uma coisa muito interessante mas não consigo pôr no blog (burrices informáticas da minha parte).
Tenho tantas coisas que queria põr e não pus ainda por não conseguir.
Thank you for the words, for all of you.
Kisses

besbertocharrua disse...

pó porfessor raul dagente cum abraço:
CARPENT TUA POMA NEPOTES

Maria do Carmo Cruz disse...

Cumpadre Besberto, tiro-lhe o meu chapéu! E agora, diga-me lá vocemecê o que quer dizer isto: "Forsan et haec olim meminisse juvabit". Sabe, é que esta é uma das minhas frases-talismã. Bá lá, Mestre, vá aos Catarpácios e diga-me o significado.O meu cunhado Padre, o meu querido Padre João, com 83 anos, é tem por costume pedir-me que lhe traduza "mater tua mala burra est"... E esta, Cumpadre? Um abraço, seu Latin+orio!

Raul Martins disse...

Cumpadre Besberto, agora vamos ter que andar com o latim às costas? Já foi tempo. Bem sofri em aprender latim. Todos os dias uma aula de latim no 10º e 11º anos. Mas já lá vai. Das partidas como o "mater tua mala burra est" (cuidado que à primeira vista pode parecer uma ofensa e não é nada disso) ainda me lembro bem. E a sua também sei porque é citação conhecida de Virgílio e para aqueles que não sabem a tradução é... "os vindouros colhem os teus frutos", realmente temos que pensar naqueles que virão depois de nós e não apenas em nós; o que semearmos agora poderão os nossos filhos saborear. E espero bem que sim Avó Pirueta, que "um dia a gente brinde e recorde com alegria tudo isto" (tradução muito livre de uma outra frase de Vírgilio que a Carmo deixou em latim), mas esta tive que ir aos catarpácios.
.
Obrigado Renard, e a Avó Carmo tem Razão, não precisamos de dizer mais, temos é que fazer mais. Essa é que é a Questão.
.
Carpe diem!

Maria do Carmo Cruz disse...

Alegremente batida em toda a linha, seus latinórios! Já agora traduzamos a outra: a tua mãe come uma maçã vermelha", é, não é?
Que sabões que nós somos...
Raul, eu adorei Latim! Adorei!
Um abraço de comunhão de saberes da Avó Pirueta