quarta-feira, 30 de abril de 2008

PELA PAZ, TUDO!

Um suspiro pela paz!
A cada segundo.


Um sorriso pela paz!
A cada minuto.


Um gesto pela paz!
A cada hora.


Um canto pela paz!
A cada dia.


A construção da Paz
Isso nos pede.



10 comentários:

Anabela Magalhães disse...

Comovente e impressionante. Bom seria que não tivessemos acesso a imagens horrendas, como estas, não porque nos recusamos a ver, mas simplesmente porque elas nunca existiram.

BC disse...

Maravilhosas as palavras Raul.
Quanto ao video, embora arrazador,
nós sabemos que tudo isso não é imaginação, é real e bem real!
Aqui não podemos sonhar, temos que estar bem acordados, e apercebermo-nos que enquanto nós estamos no conforto das nossas casas existem pessoas a sofrer.Às vezes apetece-me correr para esses sítios e ajudar...palavras não chegam!!!
Um beijo e um sorriso

Carmo Cruz disse...

Raul, a gente nunca se habitua, não. Não à guerra, não à ganância que arrasta para a guerra, não à dor. Vê-se e as imagens abafam as palavras da canção, porque parecem ser apagadas por tanta crueldade. Pergunto a mim mesma se a guerra acabará alguma vez. Ainda me sinto, optimista militante, capaz de perguntar, mas a mim, porque tenho medo da resposta que outros me possam dar. Há duas coisas que me arranham o coração e o espírito, porque não concebo que o Homem tenha chegado onde chegou e essas duas emissárias da Morte ainda existam neste século de afluência: a Fome e a Guerra.Duas irmãs que raramente se separam. Há tantas greves, algumas sem muito sentido (e comparando com o vídeo, sem sentido nenhum) e por que não se faz greve à guerra? As lágrimas do soldado adolescente queimam. O que pensará ele, Menino de sua Mãe também, enquanto chora?
Carmo

janita disse...

Olá Raul! Vim visitar o teu blogue e agradecer as tuas visitas ao da minha escola- escmelo-breves online. Apareci, 1º como maria, mas agora sou janita.Saio daqui mais uma vez com a noção de que tudo o que fazemos para melhorar o mundo é muito pouco, comparativamente com a dimensão e profundidade dos problemas que há por resolver; no entanto, também acredito que por pouco que se faça, alguma coisa se ajuda a resolver.Sendo assim, continuemos de pés firmes em ideais e com mãos abertas para o trabalho. Além disso, malgré tout, este é o nosso mundo e aquele em que queremos manter-nos vivos e despertos. Até depois.

Fernando Vasconcelos disse...

Sim Raul
Sempre com a Paz.

Nas palavras de Brel:

Quand on n'a que l'amour
A s'offrir en partage
Au jour du grand voyage
Qu'est notre grand amour

Quand on n'a que l'amour
Mon amour toi et moi
Pour qu'éclatent de joie
Chaque heure et chaque jour

Quand on n'a que l'amour
Pour vivre nos promesses
Sans nulle autre richesse
Que d'y croire toujours

Quand on n'a que l'amour
Pour meubler de merveilles
Et couvrir de soleil
La laideur des faubourgs

Quand on n'a que l'amour
Pour unique raison
Pour unique chanson
Et unique secours

Quand on n'a que l'amour
Pour habiller matin
Pauvres et malandrins
De manteaux de velours

Quand on n'a que l'amour
A offrir en prière
Pour les maux de la terre
En simple troubadour

Quand on n'a que l'amour
A offrir à ceux-là
Dont l'unique combat
Est de chercher le jour

Quand on n'a que l'amour
Pour tracer un chemin
Et forcer le destin
A chaque carrefour

Quand on n'a que l'amour
Pour parler aux canons
Et rien qu'une chanson
Pour convaincre un tambour

Alors sans avoir rien
Que la force d'aimer
Nous aurons dans nos mains,
Amis le monde entier

Viviana disse...

Raul,

Obrigada por nos "fazer ver" estas imagens...

Precisamos de as olhar para nunca nos distrairmos da realidae que vai por eese mundo.

Temos que ter consciência que o mundo é mesmo assim.

Provávelmente podemos fazer muito pouco cada um, mas eese pouco já é alguma coisa.

O poema é muito belo.
Belo e tocante.

obrigada
Viviana

Émy disse...

As imagens são realmente chocantes mas o que quero deixar no teu Blog é o meu obrigado por incluíres esta música da banda de rock irlandesa U2, a minha banda preferida e uma das mais populares e bem sucedidas bandas de rock do mundo.
Mas o que quero partilhar aqui sobre esta banda é algo mais importante: o seu carácter humanitário e consciência social.
Este grupo de amigos, para além de excelentes músicos, capazes de provocar um turbilhão de sentimentos nas mentes de milhões de fãs, são também conhecidos pela sua participação activa em causas políticas e de defesa dos direitos humanos, em especial o líder da banda, Bono Vox.
Para quem não conhece, Bono tem participado activamente em várias campanhas e tem-se encontrado com líderes de todo o mundo a fim de obter apoio na sua luta contra a fome e miséria, pelo perdão das dívidas dos países pobres, sobretudo nos países mais pobres do continente africano.
Durante os seus concertos Bono apela à luta contra a pobreza, contra a guerra, contra a discriminação...

Esta banda é a prova de que se quisermos podemos fazer a diferença... nem que seja muito lentamente e de uma forma que pode ser mais ou menos perceptível. É necessário mostrarmos a nossa indignação, não podemos ficar eternamente inertes perante tantas injustiças que muitas vezes presenciámos.

Gostaria de deixar aqui esta frase de Bono: "Eu acho que eu posso servir para encorajar as pessoas a tomarem decisões impopulares em casa, mas que sejam a coisa certa a um nível global"

Esta música que aqui nos deixas, “Peace on earth”, na sua 1ª parte exprime o que muitos de nós sente quando assiste a notícias chocantes, quase diáriamente, nas nossas televisões:

Heaven on Earth
We need it now
I'm sick of all of this
Hanging around
Sick of sorrow
Sick of pain
Sick of hearing again and again
That there's gonna be
Peace on Earth


Tradução:
O céu na terra
É o que precisamos agora
Estou farto de tudo isto
À nossa volta
Farto de amargura
Farto de dor
Farto de ouvir vezes sem conta
Que vai haver
Paz na terra.

Raul Martins disse...

"Vê-se e as imagens abafam as palavras da canção, porque parecem ser apagadas por tanta crueldade."

Realmente as imagens são arrazadoras,talvez de mais, e realmente era bom que não tivessemos acesso a elas... porque elas simplesmente nunca existiram... mas não é assim, é verdade Anabela.

Mas mais que as imagens, a minha intenção é que nos fixemos na canção do Bono, como aquele pedaço que a Émy realçou. Não é isso que sentimos mesmo?

E realmente apetece-nos ir a correr para esses sítios; bem iríamos! Não é Isabel? Mas sempre podemos ir fazendo alguma coisa, por pouca que seja, o que já é muito, como dizem a Janita e a Viviana.

Linda canção, a de Brel, que eu não conhecia e que o Fernando nos deixou aqui. Muito simples mas muito profunda. Obrigado pela partilha.

E porque não uma greve à guerra? Boa sugestão. Será que agarraríamos a ideia? E como?

EMD disse...

Os suspiros, os sorrisos, os gestos e os cantos pela paz têm mesmo de ser quotidianos e em uníssono. A ver se alguém nos ouve!
Hoje, finalmente…, vou fazer o enlace deste «pedacinho de mundo» para o BREVES e juntá-lo aos blogues dos amigos.
Obrigada e parabéns, Raul, pela mensagem singela mas tão urgente.

Raul Martins disse...

Obrigado BREVES pela presença sempre amiga e pelo "enlace" - o que é apenas uma formalização porque "enlaçados" já estávamos. Tenho uma grande admiração pelo dinamismo que se trnspira na vossa escola.
Carpe diem!