sábado, 26 de julho de 2008

O CANTINHO DO PADRE MÁRIO!

A humanidade santa de Jesus Cristo

Esta é a pedra de toque para toda a visão que Teresa de Ávila tem de Cristo:

Jesus, o homem.

A primeira qualificação fundamental de Cristo é a sua humanidade.

Em primeiro lugar, descobrimos que Teresa sofria por não conseguir perceber e representar a humanidade de Jesus: «Eu só podia pensar em Cristo como homem; mas, desta forma, nunca o pude representar em mim – por mais que lesse acerca da sua beleza ou visse as Suas imagens-, estava antes às escuras como um cego que, mesmo falando com uma pessoa e vendo que ela está presente (porque tem a certeza que está ali, digo que entende e crê que está ali».

Depois, foi mal orientada por alguns autores: «Isto de se apartar do corpóreo deve ser bom, pois muita gente tão espiritual o diz».

Cai na tentação de querer prescindir da humanidade de Cristo em nome de uma imersão mais profunda no divino: «Começando a ter algo de oração sobrenatural, digo de quietude, procurava desviar toda a coisa corpórea, mesmo que já não ousasse levantar a alma que – como era sempre tão ruim – via ser atrevimento; parecia-me, no entanto, sentir a presença de Deus».

Ajudada por espíritos iluminados dá-se rapidamente conta da «traição» que fez, mesmo que tenha sido por «ignorância», nos confrontos com Cristo, com Deus e com o homem.

Sai desta experiência negativa com uma lúcida e existencial consciência da impossibilidade de prescindir, numa vida autênticamente cristã, da consideração, que em termos teresianos indica precisão experiencial, da humanidade de Jesus, o modelo mais perfeito, que fala com a vida, mais do que com palavras. Tornando-se esta uma convicção fundamental para ela.

Teresa tem expressões vigorosas contra quem pensa que a humanidade de Cristo possa constituir um «impedimento» ou um «embaraço» na percepção da divindade. Chama a isto, pitorescamente, «andar a alma pelo ar». Sente de forma diferente e só o simples enfraquecimento da experiência da humanidade de Cristo basta para sair da comunhão com o Deus vivente.

«Cristo é muito bom amigo, porque o vemos Homem com fraquezas e trabalhos», sem se espantar da miséria humana, porque conhece a fragilidade da nossa natureza, e está quase «obrigado» a socorrer o homem, já que em definitiva: «Senhor, estais na terra e revestido dela, pois tendes a nossa natureza, e a parte que possuís parece obrigar-Vos a fazer-nos o bem».

Jesus, torna-se o centro da vida de Teresa e ela revela todo o fascínio pela Sua pessoa, pela Sua compreensão e bondade, pela sua originalidade de homem. Enamora-se pela Sua humanidade, Teresa faz de Jesus o fulcro da sua oração, o companheiro da sua vida, goza da sua amizade contraída com o género humano ao fazer-se homem, reconhece o dom da percepção da sua humanidade.

Este Jesus, vindo do céu à terra, é para Teresa uma fonte radical de libertação da humanidade, de uma vida genuína que vem devolvida ao homem a partir do assumir, da parte do Filho de Deus, toda a precariedade da existência, da pesada corporeidade e da história.
Jesus torna-se para ela o fundamento das mais profundas graças místicas. Mesmo nas mais elevadas percepções trinitárias, ela experimentará sempre a humanidade de Jesus.

Jesus, Deus verdadeiramente homem, Filho de Deus vivo, é o fulcro da sua profissão de fé, da sua experiência e da sua vida. Vê na incarnação a via de acesso ao mistério de Deus, porque através desta o homem é semelhante a Deus. Põe em relevo o que há de específico, que é ao mesmo tempo inefável, na figura de Cristo: que não está no facto de Deus ter assumido a humanidade, mas no ter-Se tornado totalmente homem, na plenitude completa de uma vida terrena partilhada em cada fase dolorosa, até à abnegação total na cruz.

A humanidade de Cristo é a única via pela qual Deus se comunica ao homem, «a porta» pela qual é preciso passar, «si queremos nos muestre la soberana Majestad grandes secretos», até chegar aos segredos mais recônditos de Deus.


4 comentários:

Anabela Magalhães disse...

Votos de bom regresso para o padre Mário, depois de saber as aventuras em que o envolveu, involuntariamente, o Clap!
Ainda gargalho.

Maria do Carmo Cruz disse...

Caríssimo Padre Mário, cá estou eu a ler, reler e voltar a ler, que estas coisas não são de enfiar no saco e fechálo com um baraço. E embora só esteja a escrever o meu comentário, já o tinha procurado e encontrado. Rntretanto, não por orgulho, apenas pela alegria de partilhar a minha Alegria por ter Fé, pus-me a roubar-lhe o lugar e o meu poste hoje é sobre ser-se ou não crente.
Tenho a certeza de que não tenho a preparação cultural, isto é da Teologia, para me pôr a falar de Deus. Mas eu só usei a minha Fé, só falei do que sinto. Por favor, diga-me: Fiz mal? Faço mal? É que vejo tanta gente boa a quem só falta a Alegria da Fé para serem completos como Pessoas. Não que me considere eu nesse caso. Sou pecadora e mais pecadora porque, geralmente, apesar do propósito de emenda, sou reincidente. No fim de fechar o poste senti que precisava de uma palavra sua. Seja para corrigir, seja para o que for, o que fiz foi público, pode responder-me publicamente também.
Quanto a Santa Teresa de Ávila, estou com ela quando se apaixona pela humanidade de Deus, via Jesus Cristo. Um abraço da Carmo

Anabela Magalhães disse...

Carminho
Não tenho a sensação de estar incompleta. :)
E como poderias fazer mal quando apregoas a tua fé? Sortuda é o que és! Eu sou bem mais imperfeita.
Beijinhos

gaivota disse...

só venho deixar um beijinho daqui de oviedo, ainda, e agora triste...
mas portaram-se muito bem os meus meninos!
e os pequenito do slb lá trouxerem o troféu de campeões!
lindosssssssssssss