sexta-feira, 20 de junho de 2008

O BRILHO DO SILÊNCIO!


O principezinho estava cansado. Sentou-se. Eu sentei-me ao seu lado. Primeiro , ficou uma data de tempo calado, mas depois disse:

- As estrelas são bonitas por causa de uma flor que não se vê...

Eu respondi "Claro" e pus-me a observar, calado, as pregas da areia ao luar.

- O deserto é bonito - disse o principezinho.

E era verdade. Sempre gostei do deserto. Uma pessoa senta-se numa duna. Não vê nada. Não ouve nada. E, no entanto, há qualquer coisa a brilhar no silêncio.

- O que torna o deserto bonito - disse o principezinho - é haver um poço escondido em qualquer parte...

O Principezinho, Antoine de Saint-Exupéry

3 comentários:

Maria do Carmo Cruz disse...

Raul do Sorriso Imenso, sabes onde me sinto mais só? Sabes onde consigo sentir o silêncio? No meio de uma multidão. Garanto-te que não estou a fazer um jogo de palavras nem a usar metáforas. Uma multidão, na qual, aliás, nunca me consegui envolver, fazer parte de. Aí, no meio de tanta gente, ouço-me, ouço o silêncio, ouço-me até ao meu eu mais íntimo e não raro me comovo. Por me sentir só com tanta gente. Um beijo, Avó Pirueta

Anabela Magalhães disse...

E escutar o silêncio espampanante do deserto?
Uma experiência que recomendo vivamente.
"Aí, no meio" de nada e de tudo, "ouço-me, ouço o silêncio, ouço-me até ao meu eu mais íntimo e não raro me comovo."
Obrigada, Carmo. Com uma "ligeira" adaptação serviu para mim. :D

BC disse...

Os silêncios são bons,precisamos de silêncios muitas vezes para nos encontrarmos.
Podemos como a avó diz estarmos rodeados de muita gente e estarmos no nosso silêncio, resguardados por nós próprios!!!!