sábado, 30 de abril de 2011

PARA TI, MÃE!



ÊXTASE

- Não vês o céu, como está lindo?
- Vejo.
- Não vês o sol, como ele brilha?
- Vejo.
- Não vês os campos, tão floridos?
- Vejo.

- Mas para onde é que estás a olhar?

- Para ti, Mãe.

Lopes Morgado
in Mulher Mãe

2 comentários:

BC disse...

Como já pouco nos visitamos,o comentário estará atrasado________ou talvez não, resolvi voltar, ou tentar vir mais aos blogues e começar a escrever de novo a poesia que há muito está parada, pelo menos com a regularidade, ou com a assiduidade que mantive durante muito tempo.
Sinto saudades, o FB, NÃO É ISTO, de modo algum as amizades geradas e que foram desaparecendo, porque nós também não estamos lá, deixámos de estar, a cumplicidade_____ as cumplicidades tão bonitas, tão amigas, tão desprovidas de intenções que não aquelas demonstradas ali naquele momento, sinceras, amigas.
Estou um pouco cansada aqui havia dsempre feedback dos amigos visitávamo-nos mutuamente, e agora????
Abraço

Raul Emilio Martins disse...

Isabel, li e reli o teu comentário. Claro que o "tempo" em que nos "vistáva-nos" nos blogues teve a sua beleza e que deixa saudades. Agora, raramente andao pelos blogues. Sei que a qualidades dos blogues, a profundidade do que se escreve e o cuidado na escrita é muito maior, mas o "face" é uma ferramenta com se comunica com maior facilidade. Fico feliz pela tua vontade em voltares à tua poesia. Força! Vou procurar acompanhar. Abraço.